JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

Ver Todos
Ver Todos

Ver Todos
Homilia no Primeiro Domingo da Quaresma
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/162049retiro_13.jpglink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/442421diocese_1.JPGlink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/734423bispo_minas.jpglink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/574498caridade.jpglink

O Secretariado da Liturgia da Diocese da Guarda vai promover formação para Ministros Extraordinários da Comunhão na Covilhã, em Gouveia e Guarda. A primeira formação será na Covilhã, no Centro Cultural,

Ver Mais

O Secretariado Regional da Conferência dos Institutos Religiosos Portugueses divulgou o programa de actividades que vai realizar ao longo do ano de 2018, na Diocese da Guarda. A primeira iniciativa

Ver Mais

Bispo da Guarda rezou junto da imagem de Santa Bárbara O Bispo da Guarda visitou as Minas da Panasqueira, no dia 18 de Janeiro, onde rezou junto da padroeira dos mineiros,

Ver Mais

No Seminário das Missões, em Viseu A "ação pedagógica no 1º ciclo e no ensino Secundário na disciplina de EMRC" vai estar no centro da reflexão dos professores na segunda

Ver Mais

Diocese - Formação para Ministros Extraordinários da Comunhão

O Secretariado da Liturgia da Diocese da Guarda vai promover formação para Ministros Extraordinários da Comunhão na Covilhã, em Gouveia e Guarda.
A primeira formação será na Covilhã, no Centro Cultural, no dia 2 Dezembro, entre as 10.00 e as 16.00 horas. Esta actividade tem em vista a formação permanente de Ministros Extraordinários da Comunhão. Em Janeiro de 2018, no dia 13 a formação permanente de Ministros Extraordinários da Comunhão, será em Gouveia, na Casa Rainha do Mundo e no dia 27 na Guarda, no Seminário Maior. Para os dias 3 e 10 de Fevereiro, na Covilhã, está marcado um Curso para Novos Ministros Extraordinários da Comunhão.

Diocese da Guarda - Actividades do Secretariado Regional da Conferência dos Institutos Religiosos Portugueses

O Secretariado Regional da Conferência dos Institutos Religiosos Portugueses divulgou o programa de actividades que vai realizar ao longo do ano de 2018, na Diocese da Guarda. A primeira iniciativa está anunciada para o dia 13 de Janeiro e será um Convívio com as Irmãs Carmelitas, no Carmelo da santíssima Trindade, na Guarda. O programa começa às 9.30 horas com a celebração da Missa no Carmelo. Segue-se o convívio com as Irmãs com partilha de cantares e de bens.
O Dia do Consagrado, 2 de Fevereiro, será assinalado com a celebração da Missa presidida pelo Bispo da Guarda, às 18.00 horas, na Sé Catedral da Guarda. Na altura haverá a celebração das Bodas de Vida Consagrada das consagradas da Diocese. Em Fevereiro, no dia 17, tem lugar o retiro de início da Quaresma, orientado pelo Padre José Miguel Barata Pereira, Reitor do Seminário Maior de Cristo Rei, Lisboa, Responsável pelo departamento de Pastoral Vocacional e do Diaconado Permanente, em Lisboa. O retiro vai decorrer no Seminário Maior da Imaculada Conceição, na Guarda. No dia 26 de Maio, haverá manhã de formação para consagrados e aberta a todo o Povo de Deus, sobre o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, no âmbito do Sínodo dos Jovens em Roma, no mês de Outubro. Este trabalho, que decorre no Seminário Maior da Guarda será orientado pela Irmã Paula Jordão, Missionária Verbum Dei, Licenciada em Teologia e Mestre em Formadora por Salamanca e com uma larga experiência em Pastoral Juvenil. Haverá também um painel de testemunhos de jovens vocacionados.

D. Manuel Felício visitou o complexo mineiro da Panasqueira

Bispo da Guarda rezou junto da imagem de Santa Bárbara O Bispo da Guarda visitou as Minas da Panasqueira, no dia 18 de Janeiro, onde rezou junto da padroeira dos mineiros, benzeu uma máquina que vai melhorar as condições de trabalho e esteve com os trabalhadores.
À entrada da mina, o bispo da Guarda presidiu a uma oração diante do nicho de Santa Bárbara, pediu a sua protecção para todos os que diariamente passam junto da padroeira dos mineiros antes de uma jornada de trabalho. Em declarações à Agência ECCLESIA, D. Manuel Felício disse que “todos os anos” procura passar pelas minas, onde encontra “gente acolhedora” que “escuta com muita atenção e que dá valor ao esforço que a Igreja faz no seu acompanhamento”. As minas da Panasqueira estão em laboração há 130 anos e foi na Segunda Guerra Mundial que viveram um grande crescimento impulsionado pela procura do volfrâmio. Actualmente o volfrâmio continua com muita procura, sendo o das Minas da Panasqueira considerado o melhor do mundo, procurado para enriquecer o volfrâmio chinês, de menor qualidade. O complexo mineiro da Panasqueira chegou a ser habitado por 10 mil pessoas, nos anos 40 do século XX, e actualmente continuam a chegar muitas pessoas, vindas de todas as partes do país, para trabalhar na exploração do minério, dando à localidade dinamismo que não se encontra na região. A densidade populacional motivou a presença da estruturada da Igreja Católica, hoje a cargo do padre André Roque, capelão da Panasqueira e pároco de localidades vizinhas. Depois de visitar diversas estruturas deste complexo mineiro, o bispo da Guarda presidiu à Eucaristia celebrada na Igreja da Barroca Grande, participada por muitas crianças que fazem a sua preparação cristã no Centro Pastoral para a Família Mineira. José Luís, colaborador da mina, técnico de segurança, disse à Agência ECCLESIA que o bispo da Guarda é uma presença sempre “muito aguardada”. “É sempre bom ter aqui o nosso bispo, é um incentivo para toda esta gente e alguém muito estimado por mineiros e administradores da empresa”, sublinhou. “Gostaria e tenho esperança que, para o ano, possamos celebrar a missa no interior da mina”, disse José Luís.

Encontro (inter) diocesano para docentes de Educação Moral e Religiosa Católica

No Seminário das Missões, em Viseu A "ação pedagógica no 1º ciclo e no ensino Secundário na disciplina de EMRC" vai estar no centro da reflexão dos professores na segunda de oito «Formações (inter) diocesanas para docentes de EMRC».
A iniciativa, uma parceria entre o Secretariado Nacional da Educação Cristã e os Secretariados Diocesanos de EMRC, vai decorrer durante o primeiro trimestre deste ano em oito dioceses diferentes (Porto; Braga; Coimbra; Viseu; Lisboa; Beja; Funchal e Ponta Delgada). A segunda edição acontece no próximo sábado, dia 27 de Janeiro, em Viseu, com início previsto para as 9.30 horas, e vai contar com uma conferência de Ana Costa Oliveira, docente da Universidade Católica (UCP), que irá reflectir sobre o tema «Desenvolvimento sócio-moral e religioso na infância». Pelas 11.30 horas, o sociólogo Alfredo Teixeira, da UCP, apresenta o tema « As novas adolescências: os quadros sociossimbólicos da experiência crente» Esta formação vai contar, ainda, com a “partilha de experiências pedagógicas significantes no 1º ciclo do EB e no Ensino Secundário” de modo a permitir "em contexto de auto-aprendizagem desenvolver uma leccionação reflexiva entre os docentes". Estas acções, têm por base os seguintes objectivos: Reflectir sobre a missão do docente de EMRC; Fornecer perspectivas educativas para melhor compreender a infância e a adolescência nas suas dimensões simbólica, moral e religiosa; Partilha de experiências pedagógicas significantes no 1º ciclo do EB e no Ensino Secundário; Proporcionar momentos de encontro entre docentes, favorecendo o trabalho cooperativo. O II Encontro (inter) diocesano para docentes de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) destina-se aos docentes que leccionam nas diocese de Aveiro, Guarda, Lamego e Viseu, para o qual se esperam cerca de cem participantes.

Galeria Multimédia

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

Ver Todos
Ver Todos

Ver Todos

Receba a nossa newsletter:


Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Homilia no Primeiro Domingo da Quaresma

Homilia de D. Manuel Felício, no primeiro Domingo da Quaresma

 

1. Iniciámos a Quaresma na passada Quarta–Feira, com a celebração das cinzas. Nestes quarenta dias de preparação para a Páscoa, queremos, de verdade, viver o tempo favorável, a grande oportunidade de salvação que o Senhor nos oferece. Eles são, de facto, uma caminhada sobretudo em direcção à Noite Pascal, em que somos convidados a renovar os nossos compromissos baptismais.

 

 

O Santo Padre Bento XVI, na sua mensagem para a Quaresma, convida-nos a fazer com que, na nossa vida pessoal e comunitária, a Fé possa desabrochar em obras de caridade. Pela Fé nós como que subimos ao monte para abrir o coração a Deus e nos deixarmos encher com o Seu Amor; mas logo somos convidados a descer para oferecer aos irmãos este mesmo Amor de Deus, em gestos de caridade.  Sendo assim, fica conjugada na nossa vida a acção, que nos leva ao encontro com os irmãos e a contemplação do mistério de Deus, sendo a nossa vida sempre definida por estas duas linhas e a primeira garantia da segunda -  a vertical que nos põe em comunhão com Deus e a  horizontal que nos coloca na comunhão dos irmãos.

Vamos viver esta quaresma em ano da Fé. E queremos aproveitá-la bem para redescobrirmos todas as dimensões da nossa Fé e como ela dá novo sentido e novo sabor tanto à vida pessoal como à vida em sociedade.

 

2. S. Paulo propõe-nos hoje uma meditação sobre a Fé, na carta aos Romanos que acabámos de escutar. A Fé, que nasce da Palavra de Deus, começa por nos transformar interiormente, a partir do coração. Desenvolve-se depois naquilo que chamamos Fé confessada, não só com palavras, mas sobretudo nos nossos comportamentos. E é ao confessarmos, como diz Paulo, a Fé em Jesus, que nós nos sentimos de verdade salvos. Portanto, a nossa Fé que começa geralmente com um acto de confiança na Pessoa de Jesus, desenvolve-se a seguir no conhecimento aprofundado do mesmo Jesus Cristo e da mensagem evangélica resumido nos artigos do Credo, ou Fé confessada. Depois leva-nos a celebrar a gratuidade do amor de Deus que vem aos nosso encontro na Igreja e particularmente através dos sacramentos e temos a Fé celebrada. Preenche toda a nossa vida que há-de ser vivida em atitude permanente de oração, inspirada no modelo do Pai-Nosso. E temos a Fé rezada. Finalmente comanda todas as nossas decisões e comportamentos e temos a fé vivida. Estas são as 4 dimensões da Fé que o catecismo da Igreja Católica trata em 4 capítulos distintos. Sobre eles havemos de procurar fazer também, ao longo desta quaresma, a nossa revisão de vida.

 

3. A Quaresma pretende ajudar-nos a colocar , de novo Deus no centro da nossa vida, objectivo que também tem o ano da Fé. Sabendo nós que hoje vivemos inseridos num mundo e numa cultura que nos desviam, muitas vezes, do essencial e nos procuram incutir só a preocupação pelo que é secundário, este tempo forte é convite à conversão ou seja mudança de orientação da nossa vida.

Também Jesus foi tentado a desviar-se desta centralidade de Deus na Sua vida. O quadro das tentações de Jesus, segundo o Evangelho que acabámos de ler, representa também as nossas tentações, a saber, a tentação ter, a tentação do poder e a tentação da facilidade ou da cedência ao prazer. Jesus recusa-as em nome da centralidade de Deus na sua vida. E certamente que não as recusou uma só vez, pois o texto evangélico diz que o diabo se afastou até outra ocasião, portanto voltou para o tentar de novo, como acontece com cada um de nós. As tentações não são acontecimentos pontuais, mas preenchem toda a nossa vida, como aconteceu com Jesus. A preocupação por colocar Deus no centro da vida pessoal e mesmo comunitária vem-nos já do Antigo  testamento, da experiência do Povo eleito, como recorda a oração que hoje nos apresenta o Livro do Deuteronómio. O bom judeu lembra constantemente que Deus acompanha permanentemente o povo e cada um dos seus membros e lembra sobretudo as maravilhas desta sua presença acontecidas no passado e com a certeza de que elas se repetem no presente.

 

4. Convido agora, quando estamos ainda no início da Quaresma, cada um a fazer o seu programa de vida quaresmal, se possível dialogado em família. E que esse programa se possa inspirar na pedagogia recomendada pela sabedoria milenar da Igreja e envolva, por isso:

* Tempos de oração mais intensa, com paragem diante de Deus e da sua Palavra;

* a preocupação do jejum, demonstrando, assim, a nós mesmos que não vivemos para comer, mas comemos para viver

*Respeito pela recomendação da esmola, que interpretamos como obrigação de partilhar também os bens materiais com os irmãos. Desta forma reconhecemos que não somos donos de nada, mas só administradores.

 

Convido, para terminar, à celebração do Sacramento da Penitência ou da Confissão, experimentando, assim, a maravilhosa consolação do perdão de Deus, que Cristo põe à nossa disposição neste sacramento.

 

17.02.2013

 

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda