JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

Ver Todos
Ver Todos

Ver Todos
Homília de D. Manuel Felício, na Noite de Natal, na Sé da Guarda
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/627544assembleia_img_2933.jpglink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/6551200001_3.jpglink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/416731Jovens.jpglink
http://www.diocesedaguarda.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/736891EMRC_17.jpglink

Comunicação de D. Manuel Felício, Bispo da Guarda: Rev. dos padres e diáconos Estimados Religiosos e Religiosas ou fiéis em outras formas de especial consagração, Caríssimos leigos e leigas, investidos em vários serviços

Ver Mais

O jornal A GUARDA vai homenagear o Director, padre Eugénio da Cunha Sério, no dia 22 de Maio. Por ocasião das comemorações dos 113 anos de publicação, o semanário mais

Ver Mais

A Diocese da Guarda quer saber a opinião dos jovens no âmbito da preparação do Sínodo sobre “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional” que a Igreja Católica

Ver Mais

O Bispo da Guarda publicou uma mensagem na qual convida “os pais e encarregados de educação que matriculam os seus educandos no Ensino Básico e Secundário” a fazerem a matrícula

Ver Mais

Assembleia Diocesana 2017

Comunicação de D. Manuel Felício, Bispo da Guarda:
Rev. dos padres e diáconos Estimados Religiosos e Religiosas ou fiéis em outras formas de especial consagração, Caríssimos leigos e leigas, investidos em vários serviços na vida da igreja e vocacionados para a relação com o mundo, Caros delegados a esta assembleia; Irmãos em Cristo e amigos: Convosco dou abundantes graças a Deus por estarmos, finalmente, na 1ª sessão da nossa assembleia diocesana. Preparamo-la desde há quase quatro anos a esta parte. E na sua preparação usámos um primeiro instrumento para oferecer a todos a possibilidade de se pronunciarem sobre as grandes questões que nos preocupam e motivar as nossas comunidades, particularmente através dos seus mais directos colaboradores, a participarem na caminhada que nos conduziu ao dia de hoje. Esse primeiro instrumento foram os cadernos de orientação e deles o primeiro centrou-se na realidade da Igreja, tal como Jesus a fundou, o Evangelho a configura e o Concílio Vaticano II a reapresenta, em termos ajustados aos tempos e à cultura de hoje. É desse mesmo assunto que vamos tratar principalmente na presente sessão da nossa assembleia. Outro importante instrumento foi o documento preparatório, a que demos o nome técnico de “Instrumentum laboris” e que pretendeu assumir os pontos mais importantes das diferentes reflexões e comentários feitos na base, a partir dos referidos cadernos de orientação. Este documento foi trabalhado nas diferentes estruturas de participação que precisamos de valorizar cada vez mais na nossa vida comunitária, a saber: a) os conselhos paroquiais e interparoquiais, os conselhos pastorais arciprestais, o conselho pastoral diocesano e o conselho presbiteral. Trabalho decisivo desempenhou até agora a mesa desta nossa assembleia diocesana quer na feitura do dito “Instrumentum laboris” quer na recolha das sugestões e comentários que chegaram das diferentes instâncias que o trabalharam. Com base nelas elaborou as 20 proposições que nos foram enviadas e constituem a base do nosso trabalho de hoje. Felizmente que foi possível a cada um de nós recebê-las em sua casa para as ler antecipadamente, reflectir e eventualmente dialogar sobre elas com mais alguém, podendo agora estar em condições de as analisar em grupo e votar em plenário. Centrando-se estas 20 proposições no modelo de Igreja que nos cumpre viver e testemunhar nos dias de hoje, há grandes preocupações de fundo que vamos ter presentes ao analisá-las e votá-las. Cito algumas delas e a primeira é que a Igreja, no quotidiano das nossas comunidades, para cumprir a sua vocação de viver e crescer “até à estatura do próprio Cristo”, como nos lembra o Apóstolo Paulo, precisa de ministérios variados e bem coordenados para assim podermos progredir na comunhão da Igreja servida pela comunhão dos ministérios. E ao ministério ordenado dos sacerdotes e dos diáconos, longe da pretensão de assumir todos os serviços, pertence-lhe suscitar outros ministérios, formá-los, acompanhá-los e coordená-los para o exercício das funções que lhes estão cometidas. Desta forma cumprimos a nossa identidade de, enquanto Povo de Deus, sermos todos iguais, isto é partilhando a mesma dignidade de filhos de Deus e todos diferentes, ou seja portadores de variados carismas e ministérios, como lembra o citado Concílio Vaticano II. De facto, os ministérios existem não por causa de si mesmos e muito menos por causa das pessoas que os exercem, mas por causa da Igreja e da missão que lhe está confiada para serviço da própria comunidade humana. Por isso ninguém pode pretender ser chamado ao exercício de qualquer ministério para satisfazer gostos pessoais e para simples auto-promoção, ou para subir na hierarquia da importância social, como alguns pensam. De facto, por vontade do próprio Cristo, os ministérios, constituindo comunhão entre si, devem estar sempre e só ao serviço da comunhão da Igreja. Outra grande preocupação que nos há-de acompanhar-nos nesta assembleia, a começar pela sua primeira sessão no dia de hoje, é que a comunhão da Igreja constrói-se com a participação de todos, o que só se consegue através de um conjunto de instrumentos que são indispensáveis na nossa vida comunitária, porque, no dizer do Papa Francisco, nos colocam em constante caminhada de todos com todos em direcção à mesma meta. Esses instrumentos são os conselhos já referidos, desde o conselho paroquial ou interparoquial até aos conselhos pastoral diocesano e presbiteral, passando pelos conselhos pastorais arciprestais. E a essa caminhada de todos com todos em direcção à mesma meta chama-lhe o Papa caminhada sinodal, uma expressão há muito assumida na vida da Igreja. Por isso, a experiência de participação que até agora fizemos através destes mesmos conselhos, na percurso para presente assembleia é, já por si mesma, um primeiro fruto da caminhada sinodal em que nos envolvemos e que, nesta mesma assembleia e para além dela, queremos manter a profundar. Para isso precisamos de nos manter em constante reorganização dos nossos serviços, sejam os serviços centrais da Diocese, sejam aqueles que estão mais próximos das comunidades e das pessoas. E esta é a terceira grande preocupação que vai percorrer transversalmente as várias sessões da assembleia, a começar desde já. De facto, temos de saber reorganizar os espaços da vasta superfície da nossa Diocese da Guarda, à medida das reais necessidades das pessoas, das comunidades e do funcionamento dos próprios serviços; temos de saber aprofundar e optimizar a cooperação entre os vários serviços, a começar pelos sacerdotes entre si, com os diáconos e com os outros ministérios; e as próprias comunidades precisam de perceber que têm de saber cooperar mais, em vez de se fecharem sobre si mesmas e voltarem as costas umas às outras. Sobre este assuntos esperamos da assembleia indicadores reflectidos e assumidos que nos permitam avançar, de forma consistente no processo desta nossa reorganização. Lembro ainda que a experiência já vivida da nossa comunhão em Igreja, mas sobretudo os apelos da mensagem da Evangelho para percorrermos e ajudarmos outros a percorrerem caminhos de humanidade cada vez mais consistente não são para meter debaixo do alqueire, utilizando a expressão bíblica ou mantermos prisioneiros dos nossos hábitos e tradições, mas sim para transmitirmos a outros, para comunicarmos, com a maior eficácia possível, também a ambientes que se situam fora do círculo mais restrito das nossas vivências de Fé. Daí a importância de sabermos usar bem os meios de comunicação social ao serviço da evangelização, o que igualmente tem de nos preocupar nesta assembleia. De facto, nós estamos aqui como delegados à assembleia diocesana, transportando connosco um mandato missionário recebido do próprio Jesus Cristo; mandato esse que o Papa Francisco concretiza, convidando-nos a ser cada vez mais uma Igreja em saída para as diferentes periferias da nossa sociedade; e com desejo e capacidade para nos tornarmos hospital de campanha, na medida em que as diferentes necessidades e sofrimentos das pessoas o exigirem. Queremos, de facto, ser cada vez mais uma Igreja em comunhão para a missão, como se propõe, desde o seu início, a nossa caminhada sinodal. Para isso, durante toda esta nossa assembleia, começando já na sua primeira sessão vamos procurar escutar bem as moções do Espírito Santo, para identificarmos os caminhos que Ele, de facto, nos aponta. Confiamos a Nossa Senhora, a Virgem Maria, no centenário das aparições de Fátima, todos os nossos trabalhos, pedindo-lhe, como lembra a oração, que nos ajude a progredir “no testemunho da comunhão, no espírito de serviço, na Fé ardente e generosa, na justiça e no amor aos pobres”. 29.4.2017 +Manuel R. Felício, Bispo da Guarda

Homenagem ao director do Jornal A GUARDA, Padre Eugénio da Cunha Sério

O jornal A GUARDA vai homenagear o Director, padre Eugénio da Cunha Sério, no dia 22 de Maio. Por ocasião das comemorações dos 113 anos de publicação, o semanário mais antigo do distrito e da diocese da Guarda pretende destacar o trabalho incansável do seu director, que antes foi colaborador e chefe de redacção e director adjunto.
Do programa da homenagem faz parte a celebração de uma Missa de Acção de Graças, às 19.00 horas, na Igreja da Misericórdia, presidida pelo Bispo da Diocese, D. Manuel Felício. Segue-se um jantar de confraternização, na Quinta de Santo António (Maçainhas – Guarda) e a apresentação do livro “Uma vida de Missão”. O Padre Eugénio da Cunha Sério, Director do Semanário Católico Regionalista A GUARDA, tem sido um timoneiro incansável, na divulgação e promoção de valores. Mentor de campanhas solidárias, nomeadamente a favor das obras do Centro Apostólico D. João de Oliveira Matos e do Seminário Maior da Guarda, dedicou muitos dos artigos, que escrevia com regularidade, no Semanário A GUARDA, aos acontecimentos que iam marcando o quotidiano da vida. De uma cultura geral invejável, o Padre Eugénio sempre soube transmitir, com leveza, educação e grande profundidade, os conhecimentos adquiridos em longas e meditadas leituras que ainda hoje o definem. Atento e conhecedor da realidade que o rodeia, num mundo que é cada vez mais uma aldeia global, não se poupa a esforços para ajudar a desvendar os mistérios dos tempos. Há muito que se impunha o reconhecimento público deste Homem que tanto tem feito pela GUARDA. A homenagem ao Director do Jornal A GUARDA é aberta a toda a comunidade. Os interessados em participar podem fazer a inscrição na Casa VERITAS (Guarda), até ao dia 18 de Maio.

Preparação do Sínodo sobre “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional” - Diocese promove inquérito para saber a opinião dos jovens

A Diocese da Guarda quer saber a opinião dos jovens no âmbito da preparação do Sínodo sobre “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional” que a Igreja Católica vai realizar em Roma, em 2018. O inquérito está disponível online (www.diocesedaguarda.pt) e pretende recolher dados, segundo os “lineamenta” que preparam o próximo Sínodo, “para serem posteriormente tratados e deles resultar a reflexão sobre o mundo juvenil”.
O inquérito é destinado aos jovens, com idades compreendidas entre os 16 e os 29 anos, a educadores, formadores, catequistas, sacerdotes e outros agentes da acção pastoral juvenil. De acordo com a introdução do inquérito, que estará disponível até ao fim do mês de Junho, “ele surge de uma releitura do questionário elaborado pelo Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, para, a pedido do Papa Francisco, ajudar a Igreja a que se interrogue sobre o modo como acompanha os jovens, no seu percurso de fé e de discernimento vocacional”. Ao longo do inquérito, os participantes são convidados a assinalar, com uma cruz, as respostas que lhes pareçam as mais adequadas. Ao longo do inquérito, os jovens são convidados a pronunciarem-se sobre três pontos centrais: Jovens, Igreja e Sociedade; A pastoral juvenil vocacional; Os Acompanhadores. Em relação ao primeiro ponto são formuladas as seguintes questões: Em que âmbitos/ espaços pode a Igreja escutar os jovens?; Quais os maiores desafios para os jovens da nossa Diocese? Quais as maiores oportunidades para os jovens da nossa Diocese?; Quais os lugares e formas de reunião para os jovens, dentro da Igreja? Quais os lugares e formas de reunião mais vocacionados para os jovens, fora do contexto da Igreja?; O que pedem os jovens à Igreja da Diocese da Guarda?; Em que âmbitos participam os jovens na vida cristã da Diocese da Guarda?; Como encontrar os jovens que estão “fora” da Igreja?; Em que espaços os podemos encontrar? No segundo ponto são estas as perguntas: Como participam as famílias e as comunidades cristãs no discernimento vocacional dos jovens?; Como participam os estabelecimentos de ensino na formação e desenvolvimento do discernimento vocacional dos jovens? Qual o valor do desenvolvimento tecnológico na mudança cultural a que assistimos?; Que importância têm os acontecimentos juvenis nacionais e internacionais na pastoral juvenil?; Como se projecta o futuro da pastoral juvenil e vocacional?; Como valorizar o passado cristão da Europa para pensar o futuro com esperança?; Como valorizar a insatisfação dos jovens face ao contexto socio-económico e político a fim de que essa insatisfação transforme os jovens nos agentes da mudança que eles mesmos desejam? Que níveis de relação inter-geracional permanecem ainda?; Das práticas de acompanhamento e discernimento vocacional desenvolvidas pela Diocese da Guarda quais as que consideras mais importantes? O último ponto pretende respostas para as seguintes perguntas: De que forma os sacerdotes acompanham o discernimento vocacional dos jovens?; Como promover a formação dos que acompanham os jovens no seu discernimento vocacional?; Que acompanhamento pessoal se deverá propor com maior preocupação nos Seminários?

Educação - Bispo da Guarda apela à matrícula nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica

O Bispo da Guarda publicou uma mensagem na qual convida “os pais e encarregados de educação que matriculam os seus educandos no Ensino Básico e Secundário” a fazerem a matrícula nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica.
D. Manuel Felício refere que está em preparação o novo ano escolar, “que todos desejamos seja de verdadeiro crescimento para as nossas crianças, adolescentes e jovens, nas suas escolas”. Lembra que “em todos os programas do Ensino Básico e Secundário, desde o primeiro ano, a lei prevê a oferta da disciplina curricular de Educação Moral e Religiosa Católica”. E acrescenta: “Pretende esta oferta proporcionar aos nossos educandos, desde o primeiro ano do Ensino Básico, um desenvolvimento no qual os valores morais e religiosos acompanhem e iluminem os diferentes saberes que são propostos na escola e também ajudar as nossas crianças, adolescentes e jovens a abrirem o seu entendimento para as dimensões mais belas da vida”. D. Manuel Felício diz ainda que “esta é a hora de lembrar aos pais e encarregados de educa¬ção, como também aos próprios alunos, que vale a pena gas¬tar tempo e fazer esforço para descobrir e abraçar com entusiasmo as dimensões moral e religiosa da vida e que sem elas a componente verdadeiramente humana do ensino fica incompleta”. Na mensagem aos pais e encarregados de educação, o Bispo da Guarda lembra “o exercício da responsabilidade pes¬soal no momento da matrícula, onde se propõe a escolha desta disciplina curricular”.

Galeria Multimédia

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

Ver Todos
Ver Todos

Ver Todos

Receba a nossa newsletter:


Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Homília de D. Manuel Felício, na Noite de Natal, na Sé da Guarda
alt D. Manuel Felício presidiu à Missa da Noite de Natal, na Sé da Guarda. Na homília, o Bispo da Guarda disse: “Num mundo que andava nas trevas, brilhou uma grande luz, ouvimos na leitura do profeta Isaías. E nós sabemos que essa luz é o Manino de Belém, cujo nascimento celebramos nesta noite santa de Natal. Ele é o Filho único de Deus que veio para oferecer a toda a Humanidade novas razões de esperança. E de que trevas ou escuridão se trata, nesta passagem bíblica? O mesmo profeta dá-nos alguns indicadores que vale a pensa considerarmos. As trevas são o jugo mas também o madeiro que pesava sobre o povo; são o calçado ruidoso da guerra e as vestes manchadas de sangue que existem, mas felizmente hão-de acabar. Todavia, ainda não acabaram, pois continuam a ser despejadas bombas sobre populações indefesas e a ser derramado sangue inocente, conforme as notícias que todos os dias recebemos em casa. Continuam a existir pessoas, grupos de pessoas e mesmo povos inteiros subjugados por interesses de quem tem poder baseado na força ou então simplesmente baseado na manipulação dos mercados. O Natal traz-nos mais uma vez a esperança de tudo isto vir a acabar na medida em que todos formos capazes de compreender e arriscar levar à prática a lição do Menino de Belém; Ele que é verdadeiramente o Conselheiro admirável, o príncipe da Paz. Ele vem inaugurar um mundo novo marcado pelo direito e pela justiça. Cantámos há momentos: Hoje nasceu o nosso salvador, Jesus cristo Senhor. Temos, por isso, todas as razões par nos associarmos ao exército celeste dos anjos e arcanjos que louvam a Deus cantando – glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade. Os pastores tiveram o privilégio de receber do céu a grande notícia: “nasceu-vos hoje na cidade de David um salvador que é Cristo Senhor”. Ficaram assustados com a aparição do anjo e depois com a própria notícia. E a surpresa continuou quando o anjo lhes indicava o sinal para reconhecer o Salvador – simplesmente um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoira. Para o comum das pessoas este não era sinal nenhum; mas antes um contra- sinal, porque a extrema pobreza do estábulo não parecia ajustar-se à grandeza do Deus ali nascido. Pois se imaginava para um salvador divino se não um berço de oiro pelo menos a dignidade de uma habitação que a cidade lhe recusou. O certo, porém, é que Deus é assim mesmo: escolhe o caminho da humildade e a pobreza para ir ao encontro de todos, fazendo-se fraco, com os fracos, pobre com os pobres e chegando a partilhar a marginalidade com os marginais para os encaminhar rumo à plena inclusão social. Em Jesus Cristo, Filho de Deus e nascido na pobreza do Presépio manifestou-se e continua a manifestar-se a abundância da graça de Deus, fonte de Salvação para toda a Humanidade. E os caminhos da Salvação que Ele nos propõe pedem que renunciemos a modos de vida que, embora sendo da moda, desumanizam e abracemos os caminhos que o apóstolo nos aponta e identifica com as notas da temperança, da justiça e da piedade. O Natal pede-nos temperança, ou seja contenção no uso dos bens materiais ou recursos que a natureza nos oferece. A encíclica Laudato Si do Papa Francisco e mais recentemente as propostas finais do encontro realizado em Paris sobre as mudanças climáticas, que reuniu representantes de 195 países, chamam-nos à responsabilidade quanto a modelos de vida e de consumo que tornem o mundo sustentável e façam dele desejada casa comum tanto para as gerações actuais como para os que nos hão-de suceder. De facto, não vivemos para o consumo de bens materiais. Servimo-nos deles para vivermos a vida com dignidade e criarmos relações boas uns com os outros. Por outras palavras, nós não vivemos para comer, mas sim, comemos para viver. Sentimos, porém, que em muitas ocasiões as pessoas são tentadas quase a viver para o consumo, como se consumir fosse o bem supremo. A verdade, pelo contrário, é que a contenção no consumo é necessária não apenas pela qualidade de vida que queremos imprimir á nossa existência, mas também pela escassez de bens que nos são oferecidos, para usarmos sem abusar. A propósito, referimos os resultados de um estudo feito recentemente na América. Se os sete mil milhões ou sete biliões de habitantes do planeta tivessem níveis de consumo e desperdício igual àquele que têm os 300 milhões da classe média alta da Europa e dos Estados Unidos, os recursos que temos não chegavam. Eram necessários mais dois mundos iguais a este. Esta realidade impõe-nos a obrigação de trabalharmos por objectivos de justiça na distribuição dos recursos. Temos de procurar a justiça em termos horizontais – para que sejam devidamente contemplados todos os homens e mulheres que hoje habitam o planeta; mas também justiça em termos verticais – para que sejam contempladas as gerações futuras. É nossa obrigação deixar a estas gerações futuras condições de vida se possível superiores àquelas que recebemos. Por sua vez, a justiça não só exige o acesso a estes recursos, mas também a participação no processo da sua produção. O objectivo da justiça é, assim, acabar com todas as formas de marginalidade, que, de facto, podem existir, mesmo quando às pessoas não lhes falta o essencial, a começar pelo pão para a boca. O nosso grande objectivo é a sociedade de plena inclusão, onde todos têm consciência das suas capacidade e também condições para as porem a render ao serviço do bem comum. Como sabemos, estamos longe de atingir esta grande meta. Mas quando a Palavra de Deus hoje nos fala de piedade remete-nos para a fundamental e necessária relação com Deus – também para que a organização da sociedade se realize a contento de todos e não apenas daqueles que ou são os mais dotados ou têm nas suas mãos poder que os outros não têm: De facto, sempre que o ser humano se julga a medida de tudo, surge a tentação de impor os seus interesses individuais, também pela via da força. Esquece-se assim o princípio elementar de que somos todos portadores da mesma dignidade, porque membros da mesma família humana, cujo pai comum é o criador. A terminar, desejo dirigir-me não apenas a cada um dos presentes, mas também às suas famílias. O Natal é a festa das famílias e com razão. Que neste Natal cada família – marido e esposa, pais e filhos, irmãos e outros – diante do Presépio, saiba redescobrir a sua responsabilidade na condução da sociedade para objectivos de justiça, de temperança e de piedade e sobretudo se interrogue sobre a obrigação de ser escola de vida para todos os seus membros. E aos falarmos de piedade, lembramo-nos da misericórdia de Deus que tem a sua mais surpreendente manifestação no Menino de Belém. Perante Ele desfazem-se todas as barreiras que nos possam separara de Deus e também dos outros nossos irmãos. Este é o Natal do jubileu da misericórdia. Que ele nos inspire formas renovadas de abrir as portas da nossa vida à misericórdia de Deus, mas também de abrir portas aos outros e ao mundo, no cumprimento das 14 obras de misericórdia, sete materiais e sete corporais. Santo Natal para todos nós e nossas famílias”.