Preparamo-nos para celebrar a Páscoa

Preparamo-nos para celebrar a Páscoa

Palava do Bispo da Guarda

Preparamo-nos para celebrar a Páscoa

 

A grande festa dos Cristãos é a Páscoa, que celebra a Ressurreição de Cristo.

O Domingo de Páscoa, por sua vez, faz parte do Tríduo Pascal, que se inicia com a Comemoração da Última Ceia de Cristo acompanhado dos seus discípulos mais próximos, na Quinta-Feira Santa; prolonga-se- na Sexta-Feira Santa, com a Comemoração da Paixão e Morte de Cristo, continua em Sábado Santo, um dia marcado pelo silêncio e ausência de liturgia, para ter o seu ponto alto na Vigília Pascal continuada na alegria do Domingo de Páscoa.

Na Missa da Ceia, em Quinta-Feira Santa, comemoramos a instituição de dois sacramentos –a Eucaristia e a Ordem para a Ordenação dos Sacerdotes e ainda a entrega do Mandamento Novo com o grande símbolo do lava-pés.

Em Sexta-Feira Santa comemoramos a Paixão e Morte de Cristo, com a proclamação e meditação da Palavra de Deus, principalmente centrada no relato da Paixão e Morte de Cristo, acrescenta-se-lhe a adoração da Cruz e a participação na comunhão. Segundo um costume muito antigo na Tradição Cristã, neste dia não se celebra a Eucaristia, mas distribui-se a Sagrada Comunhão.

O Sábado Santo é um dia passado em silêncio, diante do Sepulcro do Senhor e a Vigília Pascal é para os cristãos a mãe de todas as vigílias porque celebra a Vida Nova de Cristo Ressuscitado, fonte de vida para o mundo. Todos os cristãos são chamados a renovar, nesta Vigília, as suas promessas baptismais e também é o momento indicado para os adultos devidamente preparados celebrarem o seu Baptismo.

Por sua vez toda a Semana Santa, a começar em Domingo de Ramos, orienta para a celebração do Mistério Pascal de Cristo e seus efeitos na vida dos discípulos.

O Tríduo Pascal é oportunidade que desejamos aproveitar ao máximo para aprofundarmos a nossa Fé na relação com Cristo e no cumprimento dos compromissos que daí derivam.

Sexta-Feira é dia de jejum e recomenda-se que, quanto possível, Sábado santo também o seja, como forma de preparar alegria da madrugada da Ressurreição.

 

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda

Quinta, 18 de Abril de 2019