Rochoso - “lugar emblemático” da Liga dos Servos de Jesus

Rochoso - “lugar emblemático” da Liga dos Servos de Jesus

Bispo da Guarda presidiu à Missa da Festa Anual

Rochoso apontado como “lugar emblemático” da Liga dos Servos de Jesus

 

A localidade de Rochoso, “um lugar emblemático” para a Liga dos Servos de Jesus, acolheu a Festa Anual desta Obra, fundada por D. João de Oliveira Matos. Foi a partir desta localidade do concelho da Guarda que antigo Bispo Auxiliar, com a colaboração da família Dinis da Fonseca, deu início a uma obra que se espalhou por toda a Diocese.

O programa da Festa Anual integrou tempo de formação, adoração, celebração e convívio.

“Tem-nos faltado nos últimos tempos, capacidade para identificar bem os novos serviços que a Igreja e o mundo nos pedem, ao mesmo tempo que sofremos por verificarmos que, pelo menos alguns dos serviços que tradicionalmente nos estão confiados, chegam ao fim”, disse o Bispo da Guarda, na homilia da Missa a que presidiu, no dia 31 de Agosto, na Igreja paroquial do Rochoso.

D. Manuel Felício frisou que “estamos num mundo envolvido em profundas mudanças e grande complexidade” onde se fecham muitas portas, “implicando serviços e actividades que preenchiam grande parte do nosso tempo e onde gastávamos as nossas energias”. Lembrou que este mundo “também nos oferece novas possibilidades para o anúncio da Boa Nova e para o serviço às pessoas”.

O Prelado considerou que a festa anual da Liga dos Servos de Jesus “há-de servir para reforçarmos o sentido do verdadeiro discernimento que as circunstâncias actuais nos pedem”. Adiantou que “não podemos que ter medo das mudanças que estão a acontecer no mundo e na Igreja e necessariamente repercutem na nossa vida e na vida da Liga dos Servos de Jesus”.

D. Manuel Felício considerou importante saber aproveitar a festa anual da Liga dos Servos de Jesus, bem como outras datas especialmente significativas (festas dos santos Padroeiros S. José, S. Miguel, Santa Teresinha ou Santo António), para fazer uma reflexão “sobre as formas como estamos a aplicar os talentos, também chamados carismas, que o Senhor distribui a cada um de nós para os colocarmos ao serviço das comunidades e dos outros”.

Na homilia, o Bispo da Guarda recordou as constituições da Liga onde “expressamente se referem as recomendações do senhor D. João de Oliveira Matos a todas as associadas”. Explicou que “nessas recomendações lembra que o sábado é por todas as associadas, outro dia pelo Prelado, sacerdotes e seminários; outro, pela conversão dos pecadores e outro ainda para que Deus abençoe a obra da Liga dos Servos de Jesus, e ela seja, cada vez mais, obra de apostolado e oração”. E acrescentou que “ainda restavam três dias da semana para que cada uma pudesse colocar as suas intenções, mais particulares”.

Na Missa da Festa Anual da Liga dos Servos de Jesus, que encheu a igreja paroquial do Rochoso de fiéis, concelebraram os Bispos António Moiteiro (Diocese de Aveiro) e António Luciano (Diocese de Viseu), bem como dezasseis sacerdotes.

Terça, 17 de Setembro de 2019