Papa Francisco aponta a paz como caminho de esperança

Papa Francisco aponta a paz como caminho de esperança

Mensagem para o 53º Dia Mundial da Paz

Papa Francisco aponta a paz como caminho de esperança

 

 “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica” é o tema da mensagem do Papa Francisco por ocasião do Dia Mundial da Paz, que será celebrado no dia 1 de Janeiro de 2020.

O Papa refere que “a paz é um bem precioso, objecto da nossa esperança”, uma aspiração de toda a humanidade. “As terríveis provações dos conflitos civis e dos conflitos internacionais, agravadas muitas vezes por violências desalmadas, marcam prolongadamente o corpo e a alma da humanidade. Na realidade, toda a guerra se revela um fratricídio que destrói o próprio projecto de fraternidade, inscrito na vocação da família humana”, escreve.

O Papa salienta que que “desconfiança e medo aumentam a fragilidade das relações e o risco de violência, num círculo vicioso que nunca poderá levar a uma relação de paz.”

“Devemos procurar uma fraternidade real, baseada na origem comum de Deus e vivida no diálogo e na confiança mútua. O desejo de paz está profundamente inscrito no coração do homem e não devemos resignar-nos com nada de menos”, escreve o Papa.

Considera o processo de paz “um trabalho paciente de busca da verdade e da justiça” que “num Estado de direito, a democracia pode ser um paradigma significativo deste processo”.

Na mensagem, o Papa afirma que “a fractura entre os membros de uma sociedade, o aumento das desigualdades sociais e a recusa de empregar os meios para um desenvolvimento humano integral colocam em perigo a prossecução do bem comum. Inversamente, o trabalho paciente, baseado na força da palavra e da verdade, pode despertar nas pessoas a capacidade de compaixão e solidariedade criativa”.

Sobre a paz como caminho de conversão ecológica, o Papa Francisco escreve que “se às vezes uma má compreensão dos nossos princípios nos levou a justificar o abuso da natureza, ou o domínio despótico do ser humano sobre a criação, ou as guerras, a injustiça e a violência, nós, crentes, podemos reconhecer que então fomos infiéis ao tesouro de sabedoria que devíamos guardar”.

E acrescenta: “Vendo as consequências da nossa hostilidade contra os outros, da falta de respeito pela casa comum e da exploração abusiva dos recursos naturais – considerados como instrumentos úteis apenas para o lucro de hoje, sem respeito pelas comunidades locais, pelo bem comum e pela natureza –, precisamos duma conversão ecológica”.

“A graça de Deus Pai oferece-se como amor sem condições. Recebido o seu perdão, em Cristo, podemos pôr-nos a caminho para ir oferecê-lo aos homens e mulheres do nosso tempo. Dia após dia, o Espírito Santo sugere-nos atitudes e palavras para nos tornarmos artesãos de justiça e de paz”, conclui o Papa.

 

Sexta, 27 de Dezembro de 2019