Novo Diretório Geral para a Catequese

Novo Diretório Geral para a Catequese

Novo Diretório Geral para a Catequese

 

Foi apresentado em Roma, no passado dia 25 de junho, o novo Diretório Geral para a Catequese, sob responsabilidade do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, depois de aprovado pelo Papa Francisco, em março passado.

Este é o terceiro Diretório Geral da Catequese, desde o Concílio Vaticano II.

O primeiro, datado de 1971, pretendeu dar cumprimento ás orientações do Concílio. O segundo, publicado em 1997, introduziu orientações do Catecismo da Igreja Católica publicado 5 anos antes (1992). Muito preocupado com a renovação do catecumenato, dava indicações para diferentes itinerários de catequese dirigidos a distintas faixas etárias, como crianças, adultos, famílias.

Este último, que acaba de ser publicado, deve muito ao Sínodo sobre a Nova Evangelização para a transmissão da Fé (2012) e à exortação apostólica do Papa Francisco  Evangelii Gaudium, que se lhe seguiu(2013).

 

Procurando responder a desafios concretos do mundo atual, como a cultura digital e a globalização da cultura, valoriza, no processo catequético, por um lado, a experiência do encontro interpessoal com Cristo e, por outro, o apoio indispensável da comunidade da Fé. Propõe relação estreita entre evangelização e catequese, levando a sério a recomendação do Papa Francisco de que o primeiro anúncio tem de estar presente em todo o processo catequético.

Assumindo como destinatários os bispos, as conferências episcopais, as comissões diocesanas de catequese e os catequistas, pretende que a catequese valorize principalmente o encontro pessoal e vivo com Cristo, que transforma a vida. Insiste na formação dos catequistas, no contributo da catequese para a inculturação da Fé e em que a santidade é o grande objetivo do processo catequético.

 

Depois de uma introdução, organiza-se em três partes, cada uma delas com quatro capítulos.

A primeira parte é sobre a catequese na missão da Igreja; a segunda trata o processo da catequese e a terceira, a catequese nas Igrejas Particulares ou Dioceses.

Uma breve conclusão insiste em que a catequese deve conduzir à relação viva com Cristo, revelador do Pai e valoriza a Fé enquanto resposta pessoal a esta revelaçao﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽velaçsa pessoalç se conduzaso da catequese e a terceira, a catequeese oal e vivo com Crisrto, 1que tansforma ão. Aponta o exemplo de Nossa Senhora, modelo do verdadeiro discipulado.

Estamos perante um bom instrumento, que agora temos de saber utilizar da melhor maneira, para revalorizar o serviço da catequese nas nossas comunidades.

 

29.6.2020

 

+Manuel da Rocha Felício, Bispo da Guarda

Quinta, 2 de Julho de 2020