Vinte e quatro horas para o Senhor

Vinte e quatro horas para o Senhor

Vinte e quatro horas para o Senhor

 

Desde o final do dia de hoje, dia 12 de março,  até ao final do dia de amanhã,  vamos viver, como nas últimas quaresmas, as 24 horas para o Senhor.

É uma espécie de retiro pessoal, que cada um organiza como entende, principalmente para preparar o Sacramento da Reconciliação ou Confissão, abrindo o seu coração à abundância da Misericórdia Divina e sem esquecer aqueles que mais sofrem, nestes tempos de pandemia.

Estas 24 horas para o Senhor estão ligadas imediatamente ao IV Domingo da Quaresma, tradicionalmente chamado da alegria; ale­­gria que, para ser verdadeira, tem de brotar da conversão pes­soal, da reconciliação com Deus e da graça recebida no Sacra­men­to do perdão.

 

Assim, durante estas 24 horas para o Senhor, convidamos cada um de nós a dispor de algum tempo,

         -Ou entrando numa Igreja, à hora em que se encontre aberta;

         -Ou em sua casa, sozinho ou com a família;

Para:

         -Reconhecer a própria necessidade da conversão;

         -fazer exame de consciência;

         -Lembrar a si próprio a grandeza da misericórdia divina;

         -Dispor-se a abraçá-la, de imediato, abrindo-lhe o coração e e fazendo propósito de a testemunhar em toda a sua vida pessoal e de relação social;

         -Depois, dispor-se para procurar o Sacramento da Reconcilia­ção, quando as circunstâncias o permitirem.

 

Há algumas perguntas que são recorrentes e pedem de cada um de nós resposta cada vez mais consciente e estas 24 horas para o Senhor também podem servir para regressarmos a elas, como as seguintes:

 

1.Porque devo confessar-me?

O Espírito Santo é o grande autor do perdão.

Por vontade de Jesus, a Igreja é mediadora através do Sacramento da Reconciliação, em que o sacerdote é rosto do próprio Cristo para acolher o penitente, o ouvir e absolver e lhe dar as orien­ta­ções ajusta­das ao momento.

 

2.Como preparar a Confissão?

À luz da Palavra de Deus, tomar consciência dos nossos pecados e crescer no propósito de os abandonar definitivamente.

 

3.Afinal, o que é o Sacramento da Reconciliação?

É um encontro pessoal, que tem força de sacramento, entre o penitente e o sacerdote, de acordo com as orientações da liturgia. Envolve acolhimento, confissão, absolvição, oração do penitente com propósito de emenda, exortação final do sacerdote e despedida.

 

4.E depois da confissão?

Dispor-se a viver a vida nova em Cristo.

As bem-aventuranças são a carta nobre dessa vida nova. São o nosso bilhete de identidade, ao qual devemos saber voltar sempre de novo.

Por isso, ler as bem-aventuranças, meditá-las e rever a nossa vida à luz de cada um delas pode ser uma boa forma de viver estas 24 horas para o Senhor.

 

12.3.2021

 

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda

Sexta, 12 de Março de 2021