Encontro dos Catequistas dos arciprestados de Alpedrinha e do Fundão

Encontro dos Catequistas dos arciprestados de Alpedrinha e do Fundão

Departamento Diocesano da Catequese da Infância e Adolescência

 

O Departamento Diocesano da Catequese da Infância e Adolescência promoveu, no dia 6 de Outubro, no Seminário do Fundão, o 1º Encontro dos Catequistas dos arciprestados de Alpedrinha e do Fundão. 

A iniciativa procurou dar a conhecer os principais desafios da Carta Pastoral " Guiados pelo Espírito, Igreja em Renovação", no que diz respeito à formação, motivação e acompanhamento dos catequistas; reforçar as fases essenciais do itinerário catequético; apresentar as diferentes etapas do novo Plano Nacional de Formação de Catequistas, definido pela Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé.

 

O padre Valter Salcedas, responsável pelo Departamento, disse que o paradigma escolástico não se adequa à dinâmica que a catequese deve ter, mas sim o paradigma do encontro, salientando as fases do anúncio e acolhimento da Palavra de Deus, vivência da vida cristã (proposta de oração, comportamento, testemunho), celebração litúrgica (especialmente os sacramentos) e inserção na vida comunitária. 

A Carta Pastoral "Catequese - A Alegria do Encontro com Jesus Cristo" lembra que o catequista deve ser interpelado para um caminho de amadurecimento da fé e de conversão, deve ter um estilo de vida evangélica, deve ser um guia espiritual, deve ser aceite e credível na comunidade e um discípulo com um sentido comunitário.

 

O novo plano de formação tem as seguintes etapas: formação inicial; formação fundamental do catequista; formação do catequista coordenador; formação do catequista formador. Esta vertente formativa deverá ter sempre uma abordagem querigmática, em que o primeiro anúncio tem uma importância fundamental e permanente; uma abordagem mistagógica em que o catequista é convidado a conduzir outros à experiencia da fé, fundamentada continuamente na Palavra de Deus, lida, reflectida e rezada, de modo a despoletar um acompanhamento no processo de crescimento da fé de cada catequizando.

 

D. Manuel Felício referiu algumas preocupações para os próximos anos, na diocese da Guarda, nomeadamente a catequese da infância e adolescência. Referiu que é importante reflectir sobre a missão de catequista, a forma como cada um se sente chamado para o exercício deste ministério e aquilo que isso exige. Este processo inclui um discernimento, um chamamento pessoal, um acompanhamento, que pode indicar caminhos comuns de actuação, instrumentos de planificação nos diferentes anos da catequese.

 

O próximo encontro será com os catequistas dos arciprestados da Covilhã e Belmonte/Manteigas, no dia 20 de Outubro.

Quarta, 17 de Outubro de 2018