Jornadas de Religiosidade Popular destacam “identidade cultural e religiosa” da região

Jornadas de Religiosidade Popular destacam “identidade cultural e religiosa” da região

Penamacor

Jornadas de Religiosidade Popular destacam “identidade cultural e religiosa” da região

 

O Município de Penamacor, através da Biblioteca Municipal, promoveu as primeiras Jornadas de Religiosidade Popular, no dia 21 de Maio, no novo auditório da Santa Casa da Misericórdia local. A iniciativa foi organizada em parceria com o Instituto de Investigações Antropológicas de Castela e Leão de Salamanca e a Santa Casa da Misericórdia de penamacor, contou com a participação de oradores académicos dos dois lados da raia, portuguesa e espanhola.

O Presidente da Câmara Municipal, António Luís Beites Soares, referiu que o concelho e a região têm uma identidade cultural e religiosa de uma dimensão incalculável. “Esta identidade cultural e religiosa resulta numa mais-valia que pode ser mais explorada e acrescentar valor a estes territórios. Se conseguirmos elevar esta cultura e este saber imaterial, associados a esta componente cultural religiosa, podemos ter matéria para trabalharmos esta vertente mais afincadamente, no futuro, do ponto de vista transfronteiriço”, disse o autarca.

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Penamacor, João Cunha, explicou que ao falarmos de religiosidade popular, estamos a falar de religião mas também de tradições. E explicou: “Passam de geração em geração, muitas vezes oralmente, constituindo a identidade cultural de um povo, de uma região ou mesmo de uma religiosidade. Importa que se celebrem eventos como estes pois avivam a nossa memória e ajudam a compreender a nossa identidade”.

Ángel Espina Bárrio, do Instituto de Investigações Antropológicas de Castela e Leão de Salamanca, estas jornadas são já transfronteiriças e é importante seguir com a investigação sobre estas temáticas, principalmente nestes territórios em que a religiosidade é mais forte. Com o tema “Cultos e Romarias na Raia Ibérica”, esta iniciativa pretendeu estabelecer uma abordagem académica sobre os cultos regionais e locais, valorizar o estudo das romarias e culturas populares neste território e preservar a memória como ato de salvaguarda do património cultural identitário da região.

O programa contou, além de várias apresentações sobre a temática em causa, com a apresentação dos cânticos da Nossa Senhora da Póvoa, da Nossa senhora da Azenha, de Santa Luzia e de Nossa Senhora do Almortão por grupos de pessoas das comunidades afectas a cada culto.

Segunda, 30 de Maio de 2022