Morreu o Papa emérito Bento XVI

Morreu o Papa emérito Bento XVI

Morreu o Papa emérito Bento XVI

Um Homem Bom.

Um Homem Santo.

Um Teólogo para além do tempo.

 

O Papa emérito Bento XVI faleceu hoje aos 95 anos de idade, anunciou o Vaticano.

“Com pesar informo que o Papa Emérito Bento XVI faleceu hoje às 09h34, no Mosteiro Mater
Ecclesiae, no Vaticano. Assim que possível, serão enviadas novas informações”, refere uma nota do porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, enviada aos jornalistas.

O diretor da sala de imprensa da Santa Sé adianta que o corpo do Papa emérito vai estar na Basílica de São Pedro, a partir da manhã de segunda-feira, “para a saudação dos fiéis”.

O estado de saúde do Papa emérito tinha vindo a agravar-se nos últimos dias e, na quarta-feira, Francisco pediu orações pelo seu antecessor, referindo que este se encontrava “muito doente”.

Bento XVI, eleito em abril de 2005 para suceder a João Paulo II, tinha renunciado ao pontificado em fevereiro de 2013, mantendo uma vida reservada no Mosteiro ‘Mater Eclesiae’, do Vaticano, sem aparições públicas desde a viagem à Alemanha, para visitar o seu irmão mais velho, monsenhor Georg Ratzinger, em junho de 2020 – o sacerdote viria a falecer a 1 de julho.

Joseph Aloisius Ratzinger nasceu em Marktl am Inn (Alemanha), no dia 16 de abril de 1927, um Sábado Santo, e passou a sua infância e adolescência em Traunstein, uma pequena localidade perto da Áustria.

Nos últimos meses da II Guerra Mundial (1939-1945), foi arrolado nos serviços auxiliares antiaéreos pelo regime nazi.

Juntamente com o seu irmão Georg, foi ordenado padre a 29 de junho de 1951; dois anos depois, doutorou-se em teologia com a tese ‘Povo e Casa de Deus na doutrina da Igreja de Santo Agostinho’.

De 1962 a 1965, participou no Concílio Vaticano II como ‘perito’, após ter chegado a Roma como consultor teológico do cardeal Joseph Frings, arcebispo de Colónia.

Em 25 de março de 1977, o Papa Paulo VI nomeou-o arcebispo de Munique e Frisinga; a 28 de maio seguinte, recebeu a sagração episcopal e escolheu como lema episcopal ‘Colaborador da verdade’.

O mesmo Paulo VI criou-o cardeal, no consistório de 27 de junho de 1977.

Em 1978, participou no Conclave, celebrado de 25 a 26 de agosto, que elegeu João Paulo I; este nomeou-o seu enviado especial ao III Congresso Mariológico Internacional que teve lugar em Guaiaquil (Equador) de 16 a 24 de setembro; mo mês de outubro desse mesmo ano, participou também no Conclave que elegeu João Paulo II.

O Papa polaco nomeou o cardeal Ratzinger como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e presidente da Pontifícia Comissão Bíblica e da Comissão Teológica Internacional, em 25 de novembro de 1981.

No dia 19 de abril de 2005, o cardeal Joseph Ratzinger foi eleito como o 265.º Papa, sucedendo a João Paulo II; a 11 de fevereiro de 2013, Dia Mundial do Doente e memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, anunciaria a renúncia ao pontificado, com efeitos a partir do dia 28 do mesmo mês, uma decisão inédita em quase 600 anos de história na Igreja Católica.

“Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino”.

Sábado, 31 de Dezembro de 2022